Novidades Literarias

by - abril 19, 2017

Hoje vou mostrar-vos algumas das novidades da nossa querida parceira, Saída de Emergencia. Eu estou cheia de vontade de ler todos estes livros e vocês?



A história verídica de uma mãe cuja filha é morta pelo pai por vingança. Esta é a história verídica de Ana. Uma menina de sete anos morta por um pai para se vingar da mulher que o abandonou. É também a história de Carolina, a mãe, e da sua viagem ao inferno. E de João, esse pai que ninguém conhecia verdadeiramente, e que foi capaz de matar quem amava.

Esta história é a junção de muitas histórias reais. Todos os anos há crianças que são assassinadas em contextos de divórcios litigiosos. Pais ou mães que matam os filhos por vingança, para provarem que ganharam. Para castigarem quem só queria ter outra vida. Depois de vários anos de jornalismo e a fazer reportagens de violência doméstica, Tânia Laranjo continua sem respostas perante a morte de crianças. E, com esta obra poderosa e muito pessoal, leva-nos a questionar como é possível o amor andar de mãos dadas com a mais pura das maldades.

s


Polémicas da Igreja Católica portuguesa dos últimos 20 anos .O pecado é tão antigo quanto a Igreja pois esta é feita de homens com as mesmas tentações e fraquezas de todos os outros. E a Igreja Portuguesa não é exceção.
Com um estilo ligeiro mas sustentado numa investigação meticulosa, Secundino Cunha revela-nos os acontecimentos que marcaram negativamente a Igreja portuguesa nos últimos 20 anos, abalando populações e incendiando o país.
Casos de padres que cederam à tentação do amor, narrativas de desventuras e vinganças, histórias de revoltas populares e fugas atribuladas por paixão que deram origem a calvários sem fim. E, claro, não poderiam faltar os famosos contos do vigário. Venha descobrir e deleitar-se com uma Igreja Católica Portuguesa que nunca imaginou, e os desafios diários que ela enfrenta na luta eterna entre a virtude e o pecado.



Foi a decisão política mais relevante da I República, realizada sem consulta popular ou qualquer explicação ao país. As consequências foram trágicas: para a população, para os combatentes e para o próprio regime, que começou a definhar com a entrada de Portugal na Grande Guerra. Entre 1917 e 1918, mais de 50 mil homens partiram para as trincheiras da Frente Ocidental. A maioria nunca saíra das suas aldeias e vilas. Morreram milhares; outros tantos foram feitos prisioneiros e enclausurados em campos de internamento e de trabalhos forçados na Alemanha, França, Bélgica e Polónia. Morreram 260 expedicionários portugueses nesses cativeiros – o número resulta de uma nova contagem feita a partir do cruzamento de fundos documentais, publicando-se aqui a lista dos mortos, juntamente com informações biográficas e militares.
Na historiografia nacional e internacional sobre a Primeira Guerra Mundial, a história dos prisioneiros de guerra continua a ocupar um lugar ensombrado. A publicação de documentação inédita, entre a qual correspondência censurada, e a evocação dos dias de cárcere destes homens procuram dissipar essa             sombra, atribuindo-lhes a justiça possível: a memória.

Estratégias para eliminar o principal inimigo da sua saúde. Sabia que, em média, cada português consome 16 pacotes de açúcar por dia? Isso significa 3 quilos por mês e quase 35 quilos de açúcar por ano. Como é isto possível? Simples: o açúcar está presente na maioria dos alimentos e é considerado pela Organização Mundial da Saúde como o “veneno” do século XXI, sendo responsável por doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e até cancro.
Com Guerra ao Açúcar, Sónia Marcelo faz mais do que alertar para os perigos do açúcar. Graças a uma compilação exaustiva de alimentos, ajuda-nos a compreender o açúcar presente e até escondido na maioria dos alimentos da nossa despensa. Mas a dietista não se fica por aqui: para ajudar a reduzir este “doce veneno” nas nossas vidas, oferece-nos um plano alimentar de desintoxicação para 21 dias e receitas práticas e saborosas para fazer em casa.
Quer ficar mais saudável?
Comece já hoje a guerra ao açúcar.


You May Also Like

0 comentários